sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Advento - Tempo de Esperança!


 Advento - 01/12
O Advento (do latim Adventus: "chegada", do verbo Advenire: "chegar a") é o primeiro tempo do Ano litúrgico, o qual antecede o Natal. Para os cristãos, é um tempo de preparação e alegria, de expectativa, onde os fiéis, esperando o Nascimento de Jesus Cristo, vivem o arrependimento e promovem a fraternidade e a Paz. No calendário religioso este tempo corresponde às quatro semanas que antecedem o Natal.
O tempo do Advento é para toda a Igreja, momento de forte mergulho na liturgia e na mística cristã. É tempo de espera e esperança, de estarmos atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda do Senhor, como uma noiva que se enfeita, se prepara para a chegada de seu noivo, seu amado.
O Advento começa às vésperas do Domingo mais próximo do dia 30 de Novembro e vai até as primeiras vésperas do Natal de Jesus contando quatro domingos.
O Advento recorda a dimensão histórica da salvação, evidencia a dimensão escatológica do mistério cristão e nos insere no caráter missionário da vinda de Cristo.
Ao serem aprofundados os textos litúrgicos desse tempo, constata-se na história da humanidade o mistério da vinda do Senhor, Jesus, que de fato se encarna e se torna presença salvífica na história, confirmando a promessa e a aliança feita ao povo de Israel. Deus que, ao se fazer carne, plenifica o tempo (Gl 4,4) e torna próximo o Reino (Mc 1,15).
O Advento recorda também o Deus da Revelação. Aquele que é, que era e que vem (Ap 1, 4-8), que está sempre realizando a salvação mas cuja consumação se cumprirá no "dia do Senhor", no final dos tempos.
 1° Domingo

Uma vela, na coroa, acendemos, 
Toda sombra se esvai com sua luz; 
Vigilantes, o Senhor esperemos: 
Chegou o tempo do Advento de Jesus ! 
Refrão: 

Meus irmãos, penitência e oração !
Arrumemos nossa casa co'alegria !
Logo a ela, o Senhor vai chegar,
Pelo ventre imaculado de Maria ! 

2º Domingo:

Outra vela, na coroa, acendemos, 
Penitentes nos caminhos do Senhor. 
Consolando os aflitos, busquemos. 
Novos céus e nova terra, com ardor! 

3º Domingo:

A terceira vela hoje acendemos 
E cantamos: "Alegrai-vos no Senhor!" 
No deserto, uma voz escutemos: 
Praticai a justiça e o amor! 

4º Domingo:

Acendemos hoje a última vela, 
Pois tão logo o Emanuel vai chegar. 
Com Maria, todos juntos, na espera, 
"Deus-Conosco", pro seu Reino implantar!
                                                      
O caráter missionário do Advento se manifesta na Igreja pelo anúncio do Reino e a sua acolhida pelo coração do homem até a manifestação gloriosa de Cristo. As figuras de João Batista e Maria são exemplos concretos da vida missionária de cada cristão, quer preparando o caminho do Senhor, quer levando o Cristo ao irmão para o santificar. Não se pode esquecer que toda a humanidade e a criação vivem em clima de advento, de ansiosa espera da manifestação cada vez mais visível do Reino de Deus.
A celebração do Advento é, portanto, um meio precioso e indispensável para nos ensinar sobre o mistério da salvação e assim termos a Jesus como referência e fundamento, dispondo-nos a "perder" a vida em favor do anúncio e instalação do Reino.
A liturgia do Advento nos impulsiona a reviver alguns dos valores essenciais cristãos, como a alegria expectante e vigilante, a esperança, a pobreza, a conversão.
Deus é fiel a suas promessas: o Salvador virá; daí a alegre expectativa, que deve nesse tempo, não só ser lembrada, mas vivida, pois aquilo que se espera acontecerá com certeza. Portanto, não se está diante de algo irreal, fictício, passado, mas diante de uma realidade concreta e atual. A esperança da Igreja é a esperança de Israel já realizada em Cristo mas que só se consumará definitivamente na parusia (volta) do Senhor. Por isso, o brado da Igreja característico nesse tempo é "Marana tha"! Vem Senhor Jesus!
                                                                           
“Tempo de esperança e de viver
Tempo de ser novo e renascer
Eis que uma criança já se anuncia
Dentro de Maria o céu conosco está
Tempo de esperança e de alegria
Vamos esperar que o Senhor virá
O Libertador já vem!”





                                      COROA DO ADVENTO
A coroa do Advento foi concebida em Hamburgo, na Alemanha, há mais de cem anos , podemos dizer que ela constitui um hino à natureza que se renova, à luz que vence as trevas, um hino a Cristo, a verdadeira Luz, que vem para vencer as trevas do mal e da morte. É sobretudo, um hino à vida que brota da verdadeira Vida – Jesus.
Ela é feita de galhos sempre verdes entrelaçados, formando um círculo, no qual são colocadas 4 grandes velas representando as 4 semanas do Advento. A coroa pode ser, colocada ao lado do Altar ou em qualquer outro lugar visível.
A mensagem que a Coroa do Advento nos traz é entendida a partir do significado de cada símbolo com a qual é ornada.
A  forma circular da Coroa do Advento
A coroa tem a forma de círculo, o círculo não tem princípio, nem fim. É símbolo do tempo que não tem início nem fim, de Cristo, Senhor do tempo e da história, da eternidade, da unidade. É sinal do amor de Deus que é eterno, sem princípio e nem fim, e também do nosso amor a Deus e ao próximo que nunca deve terminar. Além disso, o círculo dá uma idéia de “elo”, de união entre Deus e as pessoas, como uma grande “Aliança”.

Desde a Antigüidade, a coroa é símbolo de vitória e do prêmio pela vitória.
Os ramos verdes
Os ramos que enfeitam o círculo costumam ser de pinus ou de ciprestes, pois não perdem as folhas no inverno, símbolo de persistência e de imortalidade, de vitória sobre a morte. Sua cor é verde, cor da esperança e da vida, Deus quer que esperemos a Sua graça, o Seu perdão misericordioso e a glória da Vida Eterna no final de nossa vida. Bênçãos estas que nos foram derramadas por Nosso Senhor Jesus Cristo, em Sua primeira vinda entre nós, e que agora, com esperança renovada, aguardamos a Sua consumação, na Sua segunda e definitiva volta. O ramos dos pinheiros permanecem verdes apesar dos rigorosos invernos, assim como os cristãos devem manter a fé e a esperança apesar das tribulações da vida.
A fita vermelha e detalhes dourados
A fita e o laço vermelho que envolvem a Coroa simbolizam o Amor  de Jesus Cristo, que Se torna Homem, é também simbolo da Sua vitória sobre a morte através de Sua entrega por amor.
Os detalhes dourados prefiguram a glória do Reino que virá.
As bolas
As bolas simbolizam os frutos do Espírito Santo que brotam no coração de cada cristão.
As quatro velas
As quatro velas da Coroa indicam as quatro semanas do Tempo do Advento, as quatro fases da história da Salvação preparando a vinda do Salvador, os quatro pontos cardeais irradiando a luz da salvação ao mundo inteiro, a Cruz de Cristo, o Sol da Salvação que ilumina o mundo envolto em trevas.
No início, vemos nossa coroa sem luz e sem brilho, isto nos recorda a experiência da escuridão do pecado. O ato de acender gradativamente, uma a uma as velas no decorrer das semanas do Advento, significa a progressiva vitória da Luz sobre as trevas, que vai acontecendo com a aproximação do Nascimento de Jesus,Luz do mundo, Aquele que dissipa toda escuridão, trazendo aos nossos corações a reconciliação tão esperada.
As cores das velas do Advento

A cor das velas originariamente, seguem a cor das vestes litúrgicas do Sacerdote, sendo assim: três velas de cor roxa e uma de cor rosa, as cores dos domingos do Advento: roxa, roxa, rosa, roxa. A cor roxa é usada no primeiro, segundo e quarto domingos do Advento simbolizando a conversão e penitência e a cor rosa no terceiro domingo (Gaudete-Alegrai-vos) simbolizando a alegria em meio à expectativa da chegada de Jesus.
Mas podem ser adotadas também as velas com as seguintes cores: Roxa, vermelha, rosa e verde ou ainda: roxa escura, roxa clara, rosa e branca.

Existem diferentes tradições sobre os significados das velas.

A mais usada:
·         A primeira vela é do profeta;
·         A segunda vela é de Belém;
·         A terceira vela é dos pastores;
·         A quarta vela é dos Anjos.
Outra tradição vê nas quatro velas as grandes fases da História da
Salvação até a chegada de Cristo. Assim:
·         A primeira é a vela do perdão concedido a Adão e Eva, que de mortais se tornaram seres viventes em Deus;
·         A segunda é a vela da fé de Abraão e de outros patriarcas a quem foi anunciada a Terra Prometida;
·         A terceira é a vela da alegria, lembra à alegria de Davi, que recebeu de Deus a promessa de uma aliança eterna, pela sua descendência;
·         A quarta é a vela do ensinamento, recorda os Profetas que anunciaram a chegada do Salvador.
Nesta perspectiva podemos ver nas quatro velas as vindas ou visitas de Deus na história, preparando Sua visita ou vinda definitiva no Seu Filho Encarnado, Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo; que foram:
·         O tempo da criação: de Adão e Eva até Noé;
·         O tempo dos patriarcas;
·         O tempo dos reis;
O tempo dos profetas.

domingo, 18 de novembro de 2012

Natal um Presente de Deus


                   
               
                                                                                   
  CARTÃO DE NATAL ABAIXO:
                                                                                                             
A todos os amigos e catequizandos que frequentam este blog eu quero desejar um Feliz Natal e um Ano de 2013 cheio de bençãos, pois quanto mais eu vivo, eu entendo que sem Deus nem um minuto de nossa vida seria possível, pois Ele está presente até nas pequenas coisas e seu cuidado e amor com as pessoa é infinito.
Obrigada Deus por cuidar de todas as pessoas que são importantes na minha vida.
Nunca se esqueçam que Deus ama vocês!
                                                                                                         
                                                               
  

                                  
                                                                                                      

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Jesus Cristo, Rei do Universo (último domingo do Tempo Comum e do presente Ano B) - 22/11/2015

                                                                               
  •  “Cristo, Rei e Senhor do universo se fez servidor de todos, não veio “para ser servido, mas para servir e para dar sua vida em resgate por muitos”(Mt28,20)
  • “Servindo a Cristo também nos outros, com paciência e humildade, conduzam seus irmãos ao Rei. O Senhor quer dilatar seu reino, reino “de verdade e vida, reino de santidade e graça, reino de justiça, amor e paz.”(LG 36)


                                    Para dinamizar com os catequizandos:
1.      Pelo que nós conhecemos das historias, dos filmes e da televisão, como são e como vivem os reis? (Anotar as respostas no quadro - ou numa cartolina - dividido ao meio: Reino dos homens x Reino de Deus).
2.    Reflexão: Jesus nos mostra qual é o seu Reino em Jo 18, 33-37.
3.    Através de perguntas sobre o que já conhecem da vida de Jesus, preencher o lado do “Reino de Deus”, fazendo oposição ao que foi escrito no “Reino dos homens”.
4.    O nosso querido Papa Bento XVI, numa festa de Cristo Rei, disse: “Jesus quer reinar no coração das pessoas e, a partir daí, sobre o mundo. Ele é rei de todo o universo, mas o ponto crítico, o lugar onde o seu reinado corre perigo é o nosso coração”. Por que será que o Papa disse isso? (Dar tempo para as respostas; após a partilha, distribuir um coração feito em cartolina para cada participante. Providenciar também lápis e borracha para cada um).
5.     Continuando o Papa fez a pergunta: - “Que resposta daríamos a Jesus hoje se Ele nos perguntasse : Como posso ser Rei na tua vida?” E o Papa também quis responder; sabem qual foi a sua resposta ? “Eu lhe responderia que, para que Ele reine em mim, necessito da sua graça abundantemente.”
6.    Bento XVI disse que precisa da ajuda da graça de Deus para que Jesus reine em seu coração. E nós, também precisamos da ajuda de Deus? Quem acha que sim, vai escrever a lápis, bem de leve, no coração que recebeu o que precisa ser arrancado para que Jesus possa ser o seu verdadeiro Rei. Depois, calmamente, vai apagando o que está errado e substituindo por aquilo que Jesus gostaria de encontrar no seu coração, para de lá nunca mais sair. Agora você pode escrever bem forte. Não se esqueça de guardar o coração num lugarzinho especial para que você possa ler o que escreveu quando precisar.                    Feliz Festa de Cristo Rei!

                                                                             

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Evangelho MC. 12,38-44

Quando desapegamo-nos dos bens materiais, o nosso coração se abre à ação de Deus – Disse Santo. Agostinho: «Eles punham os olhos nas grandes oferendas dos ricos, louvando-os por isso. Porém, embora tivessem logo visto a viúva, quantos viram aquelas duas moedas?… Ela deu tudo o que possuía. Tinha muito, porque tinha Deus no seu coração. É muito mais ter Deus na alma do que ouro na arca».


                                                                       
Jesus observava que os ricos davam para o templo o dinheiro que lhes sobrava. Enquanto aquela pobre viúva deu a única quantia que tinha. Portanto, como afirmou Jesus, aquela pobre mulher foi quem deu a esmola  
ou contribuição maior para o templo do Senhor.