domingo, 26 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Quaresma: Refletindo com as crianças neste tempo


Lucas 4,1-11
Objetivos: aprender a pensar com e como Jesus. Descobrir que quando pensamos bem conseguimos fazer melhor.
Jesus cresceu e quando já era grande, saiu da terra dele, para começar a ensinar a Palavra de Deus às pessoas. Mas antes disso foi para um lugar que se chama deserto. Esteve lá quarenta dias. No deserto não havia gente a passar, nem barulho, nem lojas, nem supermercados. Era um lugar onde Jesus rezava e onde Ele pensava em muitas pessoas que já conhecia: os doentes, os pobres, os que andavam à procura da verdade, aqueles que Ele ia chamar e que iam trabalhar com Ele para o bem de toda a gente. Jesus pensava em todas estas coisas com muita paz. Ele queria ajudar todos a serem mais felizes.
A luz de Deus ajudava-o a descobrir como é que Ele havia de fazer.
Um dia Jesus teve fome e ouviu uma voz que lhe dizia assim: Transforma as pedras em pão e come. Jesus ouviu e disse:
- Não, não quero!
Ele percebia bem que aquela voz não vinha de Deus.
Jesus respondeu:
- Não é só a comida que é importante. Para mim o mais importante é fazer o bem, tal como está escrito na Palavra que vem de Deus
Refletindo com as crianças:
Jesus tirou um tempo para pensar e para rezar
Para nós também é importante pensar.
Pensar nas pessoas de quem gostamos
Pensar no que podemos fazer para dar alegria.
Pensar no que vamos fazer quando formos grandes.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Vamos nos Preparar para Quaresma?



A quaresma nos lembra os 40 dias que Jesus ficou no deserto sem comer e beber, em oração se preparando para sua grande paixão e morte na cruz.
Quaresma é tempo de conversão, tempo de preparação para a Páscoa da ressurreição, tempo de direcionar a vida para o amor a Deus e ao próximo.
A quaresma começa na quarta-feira de cinzas e vai até o Domingo de Páscoa. Na quarta-feira de cinzas nós recebemos cinzas para nos fazer lembrar de nossa morte e nos mostrar que devemos nos arrepender de nossos pecados.
"Do pó viemos, ao pó retornaremos."
O jejum, a caridade e a oração são os caminhos que nos leva a verdadeira conversão.
Viver intensamente a Campanha da Fraternidade ajuda-nos na preparação para o momento mais importante do ano liturgíco a Páscoa da ressurreição do Senhor, vitória sobre o pecado, a escravidão e a morte

Olá pessoal, fiquei feliz por receber a conclusão do certificado Catequistas em Formação.




Certificados de conclusão 

dos Módulos I e II

 Temos a alegria de informar que 14 (catorze) alunos concluíram satisfatoriamente os MÓDULOS I e II de nossa formação.


São eles:

CLAUDIA DE JESUS PINHEIRO
DULCE OLIANDA OLIVEIRA
ELOISA APARECIDA DE SOUZA REIS
GLÓRIA ALVES LIMA SANTOS
IVANI COUTINHO DE OLIVEIRA
LUCIMAR POLI ÁVILA
MARCIA APARECIDA GODOI
MARIA SIRLEI BRUSNISKI
NANCY GREKIV
PATRICIA CANDIDO DOS SANTOS BONOT
SILVIA MARTINS DE JESUS
RENATA SCHMITZ FURLAN
RICARDA TEIXEIRA FIGUEIREDO
TEREZA CRISTINA GAVA


Nossos Parabéns e um grande abraço a todos!






quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Homilia Diária - Evangelho Mc. 8,22-26.

A Palavra de Jesus, nos Cura de Toda Cegueira

O tema da cegueira é bastante central na missão de Jesus. Não há dúvida de que, entre as curas, as mais relevantes devolveram a visão aos cegos. Na tradição judaica, “abrir os olhos” era a cura messiânica por excelência, o sinal para a identificação do verdadeiro Messias, segundo a tradição profética.

Quem se encontra na cegueira não vê nada. Só é possível ver quando se é tocado pela saliva e pela Palavra de Jesus Cristo, pela fertilidade da Água Viva.
Somos vitimados pelas mais diversas cegueiras. Não vemos nem sequer a maior das certezas: a realidade da morte fruto do pecado. E vivemos muitas vezes como se fôssemos “imortais”. O mistério da vontade divina é o seu desejo de salvação para todos (cf. Ef 1,9).
Somos cegos e devemos aceitar nossa condição humana: não vemos a luz. Aceitar também, sem contestação, que o sopro e a Palavra de Jesus, que estão por detrás da saliva, habitem nosso pó, sinais da presença de Cristo, de nossa divinização e da fonte da nossa salvação. Jesus, ao cuspir e passar a saliva nos olhos do homem, ao pôr a mão sobre ele e perguntar se ele via alguma coisa, nos convida a mergulhar em nossa condição humana e suas racionalidades com uma nova consciência. Só n’Ele, por Ele e com Ele conseguimos enxergar perfeitamente o caminho que nos leva ao Pai.
Agora lavados com e pela saliva de Jesus, temos os nossos olhos abertos. Vemos, sabemos e conhecemos o que nos pode matar. E para tal já não podemos voltar para o povoado. Povoado, aqui, quer dizer voltar para a vida de pecado que gera a nossa morte e a perdição dos nossos.
Padre Bantu Mendonça