terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Campanha da Fraternidade (CF 2017)


A Campanha da Fraternidade (CF 2017) terá como tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”
e o lema “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15).
Para essa iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apresenta o texto-base da CF 2017 que terá como proposta principal dar ênfase a diversidade de cada bioma e criar relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles habitam, especialmente à luz do Evangelho.
Segundo o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner, a depredação dos biomas é a manifestação da crise ecológica que pede uma profunda conversão interior. “Ao meditarmos e rezarmos os biomas e as pessoas que neles vivem sejamos conduzidos à vida nova”, afirma.
O texto-base está dividido em quatro capítulos, a partir do método ver, julgar e agir, faz uma abordagem dos biomas existentes, suas características e contribuições eclesiais. Também traz reflexões do tema sob a perspectiva de São João Paulo II, Bento XVI e o papa Francisco. Ao final, são apresentados os objetivos permanentes da Campanha, os temas anteriores e os gestos concretos previstos durante a Campanha 2017.
A partir do texto-base todas as comunidades, paróquias e dioceses do Brasil organizam formações e ações para o período de realização da CF 2017 que tem seu ponto alto o tempo da quaresma. Além disso, a CNBB realiza concursos para a escolha do cartaz e hino da CF.
Para colocar em evidência a beleza natural do país, identificando os seis biomas brasileiros, o Cartaz da CF 2017 mostra o mapa do Brasil, em imagens características de cada região.
Compõem também o cenário, como personagens principais, os povos originários; os pescadores e o encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, acontecido há 299 anos. Além da riqueza dos biomas, o cartaz quer expressar o alerta para os perigos da devastação em curso, além de despertar a atenção de toda a população para a criação de Deus.

FORMAÇÃO ITINERÁRIO CATEQUETICO AULA 01

A Arquidiocese de Campo Grande preparou uma serie de 9 Vídeos de formação sobre o Itinerário Catequético na Iniciação Cristã, Um estudo completo, desde a concepção no ventre materno até a caminha de amadurecimento da fé,  Bom Estudo!


http://www.catequeseivc.net.br/2016/01/serie-9-videos-formacao-itinerario.html

ANO NACIONAL MARIANO

CNBB INSTITUI ANO NACIONAL MARIANO
Na imagem de Nossa Senhora Aparecida “há algo de perene para se aprender”.
“Deus ofereceu ao Brasil a sua própria Mãe”
(Papa Francisco)
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, em comemoração aos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, nas águas do rio Paraíba do Sul, instituiu o Ano Nacional Mariano, a iniciar-se aos 12 de outubro de 2016, concluindo-se aos 11 de outubro de 2017, para celebrar, fazer memória e agradecer.
Como no episódio da pesca milagrosa narrada pelos Evangelhos, também os nossos pescadores passaram pela experiência do insucesso. Mas, também eles, perseverando em seu trabalho, receberam um dom muito maior do que poderiam esperar: “Deus ofereceu ao Brasil a sua própria Mãe”. Tendo acolhido o sinal que Deus lhes tinha dado, os pescadores tornam-se missionários, partilhando com os vizinhos a graça recebida. Trata-se de uma lição sobre a missão da Igreja no mundo: “O resultado do trabalho pastoral não se assenta na riqueza dos recursos, mas na criatividade do amor” (Papa Francisco).
A celebração dos 300 anos é uma grande ação de graças. Todas as dioceses do Brasil, desde 2014, se preparam, recebendo a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida, que percorre cidades e periferias, lembrando aos pobres e abandonados que eles são os prediletos do coração misericordioso de Deus.
O Ano Mariano vai, certamente, fazer crescer ainda mais o fervor desta devoção e da alegria em fazer tudo o que Ele disser (cf. Jo 2,5).

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Sacramentos: Sinais de nosso encontro com Deus


SACRAMENTOS:

Os sacramentos são sete sinais especiais da graça de Deus chegar até nós. São sinais de vida ou presentes que ele confiou à sua Igreja. O autor dos sacramentos é Jesus Cristo.

Jesus quis deixar os sacramentos em sua Igreja, pois sabia que precisaríamos deles para vivermos melhor nossa fé, visto que comunicam a graça de Deus em cada etapa de nossa vida. 

Vejamos: se nascemos para esta vida, nascemos também  para Deus pelo BATISMO.

Precisamos crescer e nos tornar adultos, participantes da vida da sociedade, mas para nos ajudar a nos tornarmos adultos em Cristo, temos o sacramento da CONFIRMAÇÃO.

Para termos forças e uma boa saúde, precisamos de alimento. Para alimentar nossa vida espiritual, Jesus nos deixou o sacramento da EUCARISTIA.

Se ficarmos doentes, precisamos de remédio; para a doença da alma, que é o pecado, temos o sacramento da PENITÊNCIA ou RECONCILIAÇÃO.

Se vamos viajar, precisamos de passaporte; para os que se encontram enfermos ou se aproximam da morte, Jesus deixou o sacramento da UNÇÃO DOS ENFERMOS, que os ajuda e conforta no sofrimento e na dor. Porém, é bom lembrar que a Unção dos Enfermos não é só viático (passaporte para a viagem), é também sacramento de cura, de conforto, mesmo se a doença não é fatal.

Quando é a nossa hora de servir à comunidade, encontramos dois sacramentos: o da ORDEM, para os rapazes que são chamados a ser sacerdotes e o do MATRIMÔNIO, para os que são chamados a se casar e constituir família com as bênçãos de Deus.

Todos os sacramentos nos ajudam a viver melhor como filhos e filhas de Deus e irmãos uns dos outros. Precisamos não só receber os sacramentos, mas vivê-los bem durante toda a nossa vida cristã.

Jesus dá esse presente aos homens que aceitam recebê-lo com amor. Como vimos, os Sacramentos são sete. Vamos procurar na Bíblia onde estão:

BATISMO



É o Sacramento que nos faz Igreja; a partir deste Sacramento somos chamados a participar, atuar, evangelizar; enfim, assumir o nosso papel de cristão na Igreja e no mundo. O Batismo apaga o pecado original e, através dos pais e padrinhos, leva o batizado à conversão e à busca de Deus. "Ide e pregai o Evangelho a todos os povos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo." (Mt 28,19).

CONFIRMAÇÃO ou CRISMA


O Batismo, geralmente é a criança que recebe. Assim sendo, são os pais e padrinhos que prometem introduzir a criança na Igreja. Já a Crisma é o sacramento da responsabilidade, pois quem o recebe (geralmente jovens) já tem consciência daquilo que quer e do seu importante papel de soldado de Cristo, comprometido com a Igreja na luta pela evangelização. "Pedro e João impuseram as mãos sobre as pessoas, para que recebessem o Espírito Santo." (At 8,17).


EUCARISTIA


É o centro dos sacramentos, o próprio Corpo de Cristo que vem alimentar a nossa via espiritual e fortalecer nossa união com Deus e com os irmãos. "Tomai e comei, isto é o meu corpo. Tomais e bebei, isto é o meu sangue." (Mc 14,22-24).

PENITÊNCIA ou CONFISSÃO



É o sacramento que limpa a nossa alma de todo o mal, de todo o pecado. Através desse sacramento nós nos voltamos para Deus, através do padre, e pedimos perdão de todos os nossos pecados e nos propomos a assumir uma vida nova. "Recebei o Espírito Santo. Os pecados que perdoardes serão perdoados." (Jo 20, 22-23).


UNÇÃO DOS ENFERMOS


É o sacramento da fortaleza de Deus (que demonstra a presença de Deus para as pessoas doentes e velhinhas). Este sacramento não é para quem está à beira da morte, mas para aqueles que estão fracos fisicamente e querem a graça de Deus. "Chame o padre para ungir o doente com óleo santo em nome do Senhor." (Tg 5,14).

ORDEM


Sacramento da consagração a Deus e à Igreja, para servir ao povo. Através deste sacramento, o homem se torna sacerdote, recebendo os poderes de Cristo, para levar a boa nova do amor a todos os homens. "Fazei isto para celebrar a minha memória." (Lc 22,19).


MATRIMÔNIO



União do homem e da mulher, que através do amor e da bênção de Deus se tornam um só corpo, uma só alma. O matrimônio é indissolúvel (ou seja, não pode acabar. Só a morte pode separar o homem e a mulher casados). "Não separe o homem o que Deus uniu." (Mc 10,9).

Assim, nós vemos que todos os Sacramentos foram instituídos por Jesus.

Os Sacramentos são sete sinais especiais da graça de Deus chegar até nós. Em cada um deles, podemos perceber a ação de Deus através dos gestos e das palavras do sacerdote que se utiliza também de elementos bem conhecidos por nós, como a água, o vinho, o óleo.

Os sacramentos acompanham toda a nossa vida cristã, dando à fé do cristão origem e crescimento, cura e missão.

Jesus quis deixar os Sacramentos em sua Igreja, pois sabia que precisaríamos deles para vivermos melhor nossa fé, visto que comunicam a graça de Deus em cada etapa de nossa vida.

Os Sacramentos são sinais de vida nova. Como todas as sementes precisam de água para nascer, crescer, dar flores e frutos, cada um de nós precisa dos Sacramentos, para ter uma vida de amor e crescer para Jesus e para os irmãos.

Os sete Sacramentos são agrupados por sua finalidade:
·                     Sacramentos de Iniciação Cristã
·                     Sacramentos de Cura
·                     Sacramentos de Serviço e Comunhão

Os Sacramentos de Iniciação são:  Batismo, Crisma e Eucaristia. Por eles, são lançados os fundamentos de toda a vida cristã.

O BATISMO é o primeiro Sacramento que recebemos, é o Sacramento que nos dá a vida nova e nos torna participantes da Vida de Deus: a Vida da Graça, que foi perdida por causa do pecado original.

 Fonte: Maria Gathe


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Dedicação da Basílica do Latrão 09/11

Celebramos nesta quinta-feira a Dedicação da Sacrossanta Basílica do Latrão. O que é a Basílica do Latrão?

É a Sé Catedral da cidade de Roma, que foi construída entre os anos de 314 e 335 e fundada pelo Papa Melquíades na propriedade oferecida e doada para esse fim pelo imperador Constantino, ao lado do Palácio Lateranense. Mas, porque se chama Basílica do Latrão? Porque esta Basílica foi construída no terreno “dei Laterani”, ou seja, da família proprietária da chácara, herdada pela mulher de Constantino, o Imperador Romano, que a doou ao Papa. 

Esta Basílica tem um significado muito especial para a cristandade: lá foram celebrados os cinco Concílios Ecumênicos. Diz a tradição da Santa Igreja que o aniversário de sua dedicação, celebrado originalmente só em Roma, comemora-se em todas as comunidades do rito romano com a finalidade maior de enaltecer o ministério petrino do Sumo Pontífice que de sua Basílica Patriarcal preside na caridade a única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo que congrega, por seu gesto primacial, todas as Igrejas de todo o orbe. A Basílica de Latrão, portanto, é a Mãe de todas as Igrejas de todo o mundo católico.

Até a construção do Vaticano o Santo Padre morava no Palácio Lateranense que é anexo a Basílica de mesmo nome. Portanto a Basílica do Latrão é a Catedral do Papa em Roma, é a Igreja que é a Mãe e cabeça de todas as Igrejas.  

A Basílica do Latrão tem como padroeiro principal o Santíssimo Salvador. Tem como dois co-patronos, São João Batista, celebrado a 24 de junho e São João Evangelista, celebrado a 27 de dezembro. Dois homens que caminharam nas estradas da salvação. João Batista, o precursor, aquele que preparou os caminhos para Jesus anunciando que Outro viria batizar com o Espírito Santo, porque ele batizava com água. São João Evangelista, o apóstolo bem amado, o último apóstolo a morrer e com a sua morte se considera fechada às portas das revelações e dos ensinamentos bíblicos do Novo Testamento. Por isso mesmo o povo de Roma conhece a Basílica celebrada hoje como a Basílica de “São João do Latrão”.

DEO OPTIMO MÁXIMO, ou seja, A DEUS OTIMO E MÁXIMO celebramos a festa de hoje. Dedicada a Deus ótimo e máximo a Basílica de Latrão quer interpelar em cada um de nós um compromisso evangelizador renovado de profundo amor e seguimento a Nosso Senhor e Divino Salvador Jesus Cristo e a Sua Igreja. Não há Igreja no mundo que não seja dedicada a DEUS O SALVADOR. Todas as Igrejas, evidentemente são dedicadas a um Santo ou a uma Santa que viveram a radicalidade do Evangelho e servem-se como luzeiros na nossa caminhada de fé e de esperança cristã. Mas, estes santos viveram a sua vida, dedicaram a sua vida a DEUS ÓTIMO E MÁXIMO.

Todos nós participamos a cada domingo da celebração da liturgia eucarística que, via de regra, é celebrada dentro de uma Catedral, de uma Basílica, de uma Matriz, de uma Capela Filial, de um Oratório, de um Orago, de um centro comunitário, de uma praça ou no próprio logradouro público. A Igreja, esta Igreja como templo em que estamos dentro é o edifício pelo qual todos nós nos reunimos para adorar a DEUS ÓTIMO E MÁXIMO, ao Divino Salvador. 

Mas, graças a Deus, a Igreja transcende o templo de pedra. A Igreja é a comunidade viva de fiéis, é a reunião de todos os batizados que vem adorar ao Deus Salvador. Assim nos ensinou o Concílio Vaticano II: “A Igreja não se acha deveras consolidada, não vive plenamente, não é um perfeito sinal de Cristo entre os homens, se aí não existe um laicato de verdadeira expressão que trabalhe com a hierarquia. Porque o Evangelho não pode ser fixado na índole, na vida e no trabalho dum povo, sem a ativa presença dos leigos”(Cf. Decreto “Ad Gentes” n. 21). Continua o Concílio Ecumênico Vaticano II: “O principal dever dos homens e das mulheres é dar testemunho de Cristo pelo exemplo e pela palavra, na família, no seu ambiente social e no âmbito da profissão”(idem).

Vivemos todos dentro da grande comunidade de fiéis chamada Igreja ou “Ecclesía”, o que significa, assembléia ou comunidade de fiéis, comunidade do povo de Deus peregrino. São Paulo nos ensinou que a comunidade cristã é o templo de Deus, onde quer que esteja ou se que se reúna para o louvor do Deus Altíssimo e Onipotente. Todos os fiéis que fazem parte do corpo místico de Cristo constituem a comunidade orante, a comunidade militante e a comunidade padecente que formam a grande Igreja, Jerusalém celeste conforme celebramos há dois dias a Solenidade de Todos os Santos e Santas de Deus. O próprio fiel, pelo Batismo, é templo e morada do Espírito Santo. Todos nós somos membros da pedra viva, o “Corpo de Cristo”.

Assim, rezemos, pois, elevando nossos pensamentos ao Senhor da Vida para que a Igreja que peregrina no mundo, a partir do primado da Caridade de Bento XVI, que da Catedral Lateranense a todos abençõe a congrega na unidade, para que possamos todos cantar as alegrias eternas neste vale de lágrimas, aonde a justiça, a paz, a concórdia, a misericórdia e a acolhida fraternal sejam a nota de júbilo e louvor ao DEUS ÓTIMO E MÁXIMO que se consagra a Basílica do Latrão e que, diuturnamente, se consagra à vida de cada um dos cristãos. Amém!
JO 2,13-22

"O nosso templo é o Corpo Ressuscitado de Jesus!" 
"Jesus expulsa os vendedores no Templo"
Festa de aniversário da Basílica do Latrão, mãe de todas as igrejas

Crianças, hoje, falaremos sobre regras. Vocês sabem o que são regras?
Na casa de vocês existem regras? Quais são? E se na sua casa não houvesse as regras para seguir, como seriam as coisas por lá?
Em sua escola também existem regras? Quais são elas? E se vocês não seguirem as regras de lá, o que acontece?
Então pra que serve mesmo as regras?
Elas servem para organizar a vida das pessoas, não é mesmo?
E quando não somos obedientes às regras o que acontece?
Sempre pagamos um preço por elas, por não a seguirmos.
Se em casa ou na escola eu não obedeço, costumo levar um castigo, porque
quando não seguimos o que é certo, sempre pagamos pelo errado que fazemos.
E será que aqui na igreja a gente tem regras também? Que tal a gente criar umas aqui?

Vamos pensar...
Será que podemos conversar com os coleguinhas durante a missa?
Será que podemos comer pipoca, mascar chicletes, trazer carrinho, brinquedos, ficar brincando na hora que a Tia está contando  contando historinhas ou falando do Evangelho, ou quando estiver participando da missa?

Vamos fechar nossos olhinhos e rezar para que Deus perdoe os nossos pecados, pedindo perdão pelas vezes que desobedecemos e não cumprimos suas regras, ficamos brincando ao invés de prestar atenção na palavra de Deus.
Hoje iremos aprender que devemos cuidar do nosso da casa de Deus que é a igreja e que devemos cuidar do nosso corpo que é o templo de Deus, templo do Espírito Santo de Deus, e devemos seguir seus mandamentos.

Vamos oferecer a Deus o nosso corpo, a nossa igreja e todo o nosso compromisso em seguir as leis do Senhor e pedir a nossa mãezinha querida sua interseção, e que ela derrame sobre todos nós suas graças rezando...Ave Maria....


quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Fiéis Defuntos 02/11

João: 14.6. “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade, e a vida; ninguém vem ao pai senão por mim”